Código de ética ambiental     Por: Cláudio de Castro Pellegrini (Presidente do DelRey4x4 Jipe Clube de S.J.D.Rei)
                                                            pelle@funrei.br
 

       O número de pessoas que procuram esportes e recreação a céu aberto tem aumentado muito nos últimos anos. Assim, há uma necessidade urgente de se educar os usuários dos recursos naturais destas terras no que diz respeito ao seu uso responsável, para garantir a integridade de tais recursos às futuras gerações. 
       Chama-se código de ética ambiental ao conjunto de regras destinado a nortear a preservação de nossos parques nacionais, estaduais e municipais, nossas áreas de preservação ambiental e similares. Este é o objetivo das sugestões que apresentamos a seguir. Sua prática é recomendada tanto no uso de terras públicas quanto privadas. Seu caráter é bastante geral, podendo ser utilizado por campistas, montanhistas, jipeiros, motociclistas, cavaleiros, etc.
 

Planejamento e preparação 

·          Conheça os regulamentos e as normas de uso da área que pretende visitar;

·          Faça as visitações em pequenos grupos e evite, sempre que possível a alta estação;

·          Conheça o tempo e o clima da região que pretende visitar. Evite surpresas;

·          Leve consigo o material e o conhecimento necessários. Lembre-se que bom equipamento sozinho não faz milagres: é preciso saber usá-lo;

·          Prepare seu corpo para o passeio que pretende fazer. Treine adequadamente (se necessário) e informe-se sobre o grau de dificuldade do percurso; 

Trilhas e caminhadas 

·          Use roupas e equipamento em cores suaves, semelhantes às da vegetação local;

·          Caminhe em silêncio e jamais use aparelhos sonoros para não perturbar a fauna. Fale baixo e, em caso de emergência, use um apito ou outro sinal previamente combinado;

·          Não colete objetos, plantas ou animais;

·          Não crie atalhos. Eles causam erosão e outros prejuízos ao local, principalmente se não existir um plano de manejo oficial para a área;

·          Ande em fila indiana e pelo meio das trilhas demarcadas;

·          Caso tenha que criar novos caminhos ,escolha sempre as superfícies mais resistentes: rocha, cascalho, grama ou areia;

·          Evite deixar marcas indicativas do caminho nas trilhas, particularmente em árvores e pedras. Elas deterioram o meio ambiente e podem confundir ao invés de ajudar. Se for inevitável, use pequenos pedaços de papel higiênico;  

Uso de veículos 

·          Conheça os regulamentos e as normas de uso da área em que vai trafegar;

·          Gere o mínimo de ruído possível durante os passeios. Nunca use aparelhos sonoros e reduza ao mínimo o uso da buzina.

·          Evite perturbar a fauna e os moradores do local;

·          Não colete objetos, plantas ou animais;

·          Não crie atalhos, sempre que for possível. Eles causam erosão e outros prejuízos ao local, principalmente se não existir um plano de manejo oficial para a área;

·          Caso tenha que criar novos caminhos ,escolha sempre as superfícies mais resistentes: rocha, cascalho ou areia;

·          Evite deixar marcas indicativas do caminho nas trilhas, particularmente em árvores e pedras. Elas deterioram o meio ambiente e podem confundir ao invés de ajudar. Se for inevitável, use pequenos pedaços de papel higiênico;

·          Ao precisar rebocar, desatolar ou desenguiçar algum veículo, cause o menor prejuízo possível ao ambiente. Evite ao máximo cortar árvores ou usá-las como ponto de ancoragem. Evite também a retirada de grandes pedras do seu local original;

·          Ao fazer manutenção de emergência em um veículo, procure não derramar óleo, gasolina ou outros fluidos no solo. Não deixe, também, qualquer tipo de sucata para trás. 

Acampamentos 

·          Só acampe em locais que não sejam danificados pela sua presença;

·          Encontre um local de acampamento, não crie um. Em geral, com um pouco de paciência é desnecessário modificar o ambiente para acampar. Em particular, jamais abra clareiras;

·          Respeite nosso patrimônio natural e histórico. Deixe plantas, rochas e antigas construções como as encontrou;

·          Utilize barracas e equipamentos de cor semelhante à vegetação local;

·          Não interfira de nenhuma forma na vida da fauna local. Particularmente, não alimente os animais selvagens;

·          Não traga animais domésticos;

·          Não utilize aparelhos sonoros, restrinja o ruído dos motores de automóvel e converse em voz baixa. Deixe que os sons da natureza prevaleçam;

·          Restrinja suas atividades a locais aonde a vegetação seja compacta ou ausente;

·          Não construa barragens, não cave trincheiras, não desvie cursos d’água;

·          Ao deixar o acampamento, inspecione-o na busca de lixo ou de evidências de sua passagem; 

Fogo 

·          Não acenda fogueiras. Use lampiões, fogareiros ou lanternas.

·          Se for indispensável fazer uma fogueira, não colete galhos e ramos de árvores. Nem os que estiverem caídos. São eles que repõe os nutrientes do solo. Utilize carvão comercial trazido da cidade;

·          Onde fogueiras forem permitidas, use os locais pré-estabelecidos;

·          Após o uso, apague completamente as fogueiras. 

Lixo  

·          Leve de volta consigo tudo o que trouxe para o local, principalmente o lixo;

·          Recolha também o lixo deixado pelos outros;

·          Em nenhuma hipótese dê restos de comida aos animais selvagens;

·          Deposite os dejetos humanos a, no mínimo, 50 m dos cursos d’água e das áreas frequentadas, em pequenos buracos e depois cubra-os com terra. Jogue o papel higiênico fora junto com o resto do lixo;

·          Se precisar tomar banho ou lavar louça, faça-o a pelo menos 50 m dos cursos d’água e das áreas frequentadas, usando a menor quantidade possível de sabão ou detergente biodegradável;
 

      O conjunto de regras acima baseia-se em alguns princípios que visam minimizar a interferência do ser humano no meio ambiente, reduzindo o impacto de sua presença.
     
O meio ambiente está em constante mudança. Em qualquer época, ele é o produto de milhões de anos de lenta evolução, que a fauna e aflora acompanham, adaptando-se. Como a velocidade de adaptação das espécies é relativamente lenta, sempre que mudanças no ambiente ocorrerem em espaços de tempo curtos, muitas espécies são extintas.
      Com sua capacidade tecnológica superior, o ser humano tem imposto mudanças radicais ao ambiente nos últimos anos. Nos dias atuais, as populações humanas atingiram números tão grandes que sua mera presença é um forte fator de interferência ambiental. O lixo domiciliar, por exemplo, polui hoje extensas áreas, incapacitando-as para outros usos. 

      N
os dias de hoje, todo indivíduo tem obrigação de fazer a sua parte na conservação do meio ambiente. Esta participação pode ser feita não deixando restos de papel numa trilha, utilizando produtos biodegradáveis ou limitando o uso de energia e água residenciais. Esta é a síntese da moderna ética ambiental. É preciso adaptar-se a ela sob pena de deixar o Planeta num estado que não valha a pena ser preservado para as gerações futuras. Da mesma forma como as pessoas devem adaptar-se a uma nova ética de convívio devido a doenças como a AIDS, devem também adaptar-se à nova ética ambiental, devido aos perigos ambientais envolvidos.
      A filosofia do presente código de ética baseia-se na experiência e nas observações feitas ao longo de anos por diversos grupos de pessoas interessadas na natureza, inclusive o autor. Dentre os grupos que também utilizam estas idéias, citamos:

 ·          US Forest Service;

·          US National Park Service;

·          US Bureau of Land Management;

·          US Fish and Wildlife Service;

·          Outdoor Recreation Coalition of America (ORCA);

·          American Moutain Guide Association;

·          American Hiking Society;

·          Empresas ligadas ao comercio de equipamentos para uso ao ar livre como Trilhas e Rumos, JanSport e outras. 

Parte das regras aqui descrita foi reproduzida e adaptada destas fontes. Se os grupos de pessoas que usam as terras públicas e privadas seguirem estas recomendações e ajudarem os outros a segui-las, o uso destas terras no lazer e no divertimento saudável estará garantido por muitos anos. 

Daqui nada se tira, a não ser fotografias,
           
Aqui nada se mata, a não ser o tempo,

           
Aqui nada se deixa, a não ser pegadas,
           
Daqui nada se leva, a não ser saudades,


                                               Ditado popular, modificado pelo autor.

                                                                                                                                      São João del-Rey, abril de 2001

Clique na foto p/ ampliar:

fotopelle.jpg (132934 bytes)